São Tomé esteve no Brasil?

Um homem de longas barbas, a quem chamavam Sumé, de aspecto venerável, a ensinar a doutrina cristã e como aproveitar os recursos da terra. Assim os índios da Baia de Todos os Santos relatavam para os colonos e missionários aqui chegados.

Seria verdade ou lenda?
.
.
.
.

Continue reading

Gratidão feita de luz

Na segunda metade do século XVI, Veneza era uma das cidades mais populosas da Europa: 175 mil habitantes compartilhavam sua beleza, encanto e vivacidade cultural.

Detentora de uma das maiores frotas marítimas do Ocidente, os cais serviam-lhe de valioso instrumento para a constituição de sua glória e riqueza. Mas essa via aberta à prosperidade podia, por vezes, converter-se em ocasião de iminente perigo: a peste negra rondava as cidades portuárias e manifestava especial atrativo pelas grandes aglomerações urbanas. Continue reading

As cores que a gente via quando era criança

As recentes cenas de rigoroso inverno no hemisfério norte fizeram-me lembrar uma expressão que expressa bem uma realidade em que todos já vivemos um dia… e gostaríamos de nunca tê-la deixado. Depois da citação o leitor verá qual é essa realidade.

Num livro sobre a Rússia pouco antes do domínio comunista (1) o autor se imagina chegando a Moscou nos primeiros dias de janeiro. Fazia um frio que nós brasileiros não temos ideia do que seja: 40 o negativos, e devido a neve e o gelo abundante os “carros” puxados a cavalo não tinham rodas mas patins semelhantes aos que usam os esquiadores.

Continue reading

Descoberta “inédita”!

Um amigo, recém-chegado de viagem à Europa, contou-me algo curioso ocorrido durante o voo. Era uma vigem de quase dez horas, dessas viagens — mesmo de avião — que parecem não terminar mais. As conversas há muito tinham cessado, uns dormitavam, outros deixavam a imaginação divagar. São desses poucos momentos permitidos pelo corre-corre moderno para quem queira tirar bom proveito para pensar. Foi o que fez meu amigo.

Enquanto punha em ordem as impressões, sua atenção foi despertada pelo título do artigo na revista da poltrona vazia ao lado. Continue reading

O que é o Advento?

Coroa do advento, paramentos e alfaias roxas, o teor das leituras muda…

Por que? Porque simboliza o período de espera da vinda do Messias. Durante 4.000 anos os Patriarcas, os profetas e o povo judeu clamava pela vinda do Redentor que haveria de começar um regime novo de graças, redimir a humanidade do pecado de nossos primeiros pais.

Período de conversão e penitência.

Veja um pouco mais no vídeo abaixo.