Caminhar no nevoeiro

Associada aos mistérios da salvação, Nossa Senhora sabia como seu Filho resgataria a humanidade extraviada, mas desconhecia o dia e a hora. Ao perceber sua ausência quando da perda do Menino Jesus no Templo, quantas angústias terão pervadido sua alma virginalmente maternal! Já teria sido Ele preso? Talvez, até, crucificado! E Ela ausente neste supremo momento… Continue reading

Exaltação da Santa Cruz

No dia 14 de setembro a Igreja comemora o símbolo por excelência da Fé: a Santa Cruz de Nosso Senhor Jesus Cristo. E para deixar bem claro que o antigo símbolo da humilhação, uma vez que nela foi consumada a Redenção, a Cruz passou a ser sinal de glória. É o que trata Dr. Plinio Corrêa de Oliveira no texto a seguir. Continue reading

Arautos no mundo: África – Moçambique

A África é o continente onde a Igreja mais cresce no mundo. Para consolidar esse crescimento, os Arautos do Evangelho de Moçambique tiveram a alegria de participar do lançamento da pedra fundamental do primeiro mosteiro das irmãs Clarissas naquele país.

Dedicadas à vida de oração e à contemplação, as Clarissas assinalam assim um futuro de esperança para Moçambique, pois, como afirma o grande espiritualista Dom Chautard, quem se dedica à oração age sobre a causa primeira — que é Deus — para o sucesso de qualquer atividade da Igreja.

Assista o vídeo.

Aquela que antecede o Sol da Justiça

Se prestarmos atenção ao céu pouco antes da aurora, poderemos ver uma estrela a pouca altura do horizonte acima do ponto onde o sol despontará. Esse fato passa despercebido a muitos, pois nessa hora, ou ainda se dorme, ou já se está no corre-corre matutino.

Embora essa estrela não seja vista em todas as latitudes ou em todos meses do ano, a sua frequência fez a voz do povo chama-la de “estrela da manhã”. Terá isso algum simbolismo de algo mais alto? Continue reading

Nunca tantos deveram tanto a um só

Na Segunda Guerra Mundial, a Inglaterra, sob o risco de uma iminente invasão alemã, resistiu galhardamente. Boa parte da vitória deveu-se aos pilotos de caça das bases aéreas próximas a Londres. Foram três dias de encarniçada defesa, mas por fim os ingleses barraram o ataque aéreo e a invasão fracassou.

Pilotos destas bases chegaram a cumprir mais de 20 missões em 24 horas. Alguns não dormiram mais que 2 a 3 horas nesses dias. E venceram a ameaça. Continue reading