Consagração nas páginas da revista

A revista “Clarão do norte” de Montes Claros publica esta semana um interessante artigo. Faz assim eco às consagrações a Jesus pelas mãos de Maria de centenas de montesclarenses promovidas pelos Arautos do Evangelho. O texto — transcrito a seguir — fala por si.
.
.
.
.
.
.

Continue reading

Descoberta “inédita”!

Um amigo, recém-chegado de viagem à Europa, contou-me algo curioso ocorrido durante o voo. Era uma vigem de quase dez horas, dessas viagens — mesmo de avião — que parecem não terminar mais. As conversas há muito tinham cessado, uns dormitavam, outros deixavam a imaginação divagar. São desses poucos momentos permitidos pelo corre-corre moderno para quem queira tirar bom proveito para pensar. Foi o que fez meu amigo.

Enquanto punha em ordem as impressões, sua atenção foi despertada pelo título do artigo na revista da poltrona vazia ao lado. Continue reading

Como a galinha e seus pintinhos

É até comovente vermos a galinha reunir sob suas asas todos seus pintinhos, seja porque faz frio, ou os raios estão a assustá-los, ou ainda outras diversas circunstâncias. Essa imagem veio-me à mente folheando um álbum sobre viagens dos Papas aos mais diversos pontos da Terra.

“Comparar a Igreja a uma galinha! Como lhe ocorre isso?!” Dirá alguém. Entretanto, numa conversa com o Mons. João Clá, Fundador dos Arautos do Evangelho, ao fazer semelhante analogia, dizia ele:

Continue reading

O que é o Advento?

Coroa do advento, paramentos e alfaias roxas, o teor das leituras muda…

Por que? Porque simboliza o período de espera da vinda do Messias. Durante 4.000 anos os Patriarcas, os profetas e o povo judeu clamava pela vinda do Redentor que haveria de começar um regime novo de graças, redimir a humanidade do pecado de nossos primeiros pais.

Período de conversão e penitência.

Veja um pouco mais no vídeo abaixo.

Aconteceu

Dois amigos caminhoneiros, sempre que podiam, viajavam juntos pelas estradas deste Brasil, cada um guiando o seu caminhão. Certo dia, pararam num posto de estrada para jantar e descansar.

Para não dar os seus nomes, chamemos  um  de  João e outro  de Pedro.

Após o jantar, Pedro repentinamente caiu no chão,  vítima de um violento ataque cardíaco; formou-se uma roda em volta, mas, surpresos,ninguém sabia o que fazer. João, segurava, cuidadosamente a cabeça do amigo e tentava reanimá-lo.

Depois de alguns instantes, Pedro recobrou alguma lucidez e disse para João: “João, vou morrer… sou católico…. eu sempre pedi a São José para ter um padre na hora da morte… João, ao ouvir isso, tremeu como se levasse um choque elétrico! E disse para o amigo moribundo: “Pedro, meu amigo……eu….eu…nunca lhe contei um segredo…..eu sou padre católico….larguei o sacerdócio alguns anos atrás……” E dirigindo para o pessoal em volta, João disse: “afastem-se pessoal… sou padre e vou ouvir a confissão de Pedro.

Então, após Pedro ter recebido os Sacramentos da Penitencia e da Unção dos Enfermos, sua alma pode partir na paz do Senhor.

São José não falhara.