A porta sempre aberta

Luiz era um jovem vivaz e sadio. Traquinas desde pequeno, melhorara bastante quando sua mãe o preparara para a Primeira Comunhão.

Já adolescente, um dia rebelou-se.

Não queria mais sujeitar-se ao desvelo paterno; afinal, pensava já poder arranjar-se por si. Depois de um atrito com a mãe, declarou:

Não quero mais ficar aqui. Vou fazer minha vida.

E embrenhou-se pelo mundo…

Em pouco tempo deu-se conta de como a vida ali era dura: nenhuma amizade verdadeira; não recebia ajuda de ninguém — cada um só pensava em si: “os outros, se arranjem”.

Luiz foi rolando pela vida, cada vez mais baixo.

Passaram-se os anos. Seu pai morreu. Sua mãe envelheceu. Ele nunca mais tentou qualquer contato…

Certo dia de inverno, tiritando, esperava a “sopa dos pobres” numa paróquia. Ao aproximar-se de um quadro de avisos deparou com o inesperado.

Sua mãe, na esperança de rever o filho, pedira nas paróquias da região para por um pequeno cartaz: sua foto — cabelos já grisalhos — e a frase:

Eu ainda amo você. Volte para casa”.

É mamãe! – exclamou interiormente.

Tomou a sopa e entrou na igreja… aquele sorriso materno, a saudade daquele afeto não lhe saia da imaginação. Percebeu na lateral da igreja o altar de Nossa Senhora: a Virgem afável… parecia chamá-lo; foi até lá, ajoelhou-se, rezou titubeante a única oração de que se lembrava, a Ave-Maria.

Afinal decidiu-se. Voltou por ruas bem conhecidas e aproximou-se da casa. Como aquele jardim lembrava-lhe os jogos inocentes de criança…

Era bem cedinho, o sol mal nascera. Aproximou-se da porta e ao querer bater, a porta abriu: não estava trancada.

Teria algum malfeitor entrado e feito mal a sua mãe? Entrou e correu rápido ao quarto dela: a mãe dormia tranquilamente. Acordou-a. Tão logo se deu conta, ela esboçou um sorriso e abraçou o filho:

Meu Luiz… meu Luiz…

Mamãe eu encontrei a porta aberta e pensei que lhe tinham feito algum mal.

Filho, desde o dia em que você se foi, a porta nunca mais foi fechada.

Caro internauta de qualquer idade, quando se sentir só, desamparado, sem solução, lembre-se que uma porta nunca se fecha: o amor de Maria, Mãe de Jesus.

Volte-se para Ela, pois, ninguém que lhe tenha pedido o socorro deixou de ser atendido. Você não será o primeiro.

Nessas horas, olhe para uma imagem d’Ela. Embaixo, invisível, estará escrito:

Eu ainda lhe amo. Volte para mim e eu o levarei a Jesus, meu Filho”.

Ilustrações: Arautos do Evangelho, [email protected]

3 thoughts on “A porta sempre aberta

  1. Oh mãe bendita sempre me mostre a porta aberta, se eu me desviar interceda para que eu volte, se eu me perder, interceda para que eu a encontre mãe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *