“VEREIS MUITOS SANTOS ENTRE AS CRIANÇAS”

 

nennolina-rae-edit

São Pio X, o Papa que estabeleceu a Comunhão precoce, costumava dizer: “vereis surgir muitos santos entre as crianças”. Vejamos algo sobre uma dessas crianças, que, tudo indica, será elevada à honra dos altares. Peçamos a Deus, por intercessão das crianças santas, que proteja nossos filhos em meio a tantos fatores adversos de nossos dias. Lembremos a palavra de Nosso Senhor: “Ai de quem escandalizar um desses pequeninos”.

VENERÁVEL ANTONIETA MEO: INOCÊNCIA ABRAÇADA À CRUZ (*)

 ir-mary-teresa-macisaac-ae

Irmã Mary Teresa MacIsaac, EP

Antonieta Meo, ou “Nennolina” — como era carinhosamente chamada — nasceu em Roma, no dia 15 de dezembro de 1930 e foi batizada no dia 28 do mesmo mês, festa dos Santos Inocentes. Sua infância transcorreu como a de qualquer outra menina: “alegre, muito vivaz e travessa, como são as crianças nessa idade”. (1) Matriculada no Colégio das Irmãs do Sagrado Coração, diz ela numa de suas mensagens a Jesus: “Vou com entusiasmo, porque aí se aprendem muitas coisas bonitas sobre Ti e teus Santos“. (2)

Aos quatro anos, os pais perceberam estar ela com um joelho inchado, mas vendo que não melhorava, submeteram-na a exames, cujo diagnóstico foi terrível: câncer nos ossos!

Dois meses depois, tornou-se necessário amputar-lhe a perna. A frágil criança suportou com valentia as dores e consolava os pais. Apesar da idade, oferecia a Deus seus padecimentos pela Igreja, pelo Papa, pela paz no mundo, pela salvação dos pecadores, pelos missionários e pelas crianças da África.

PRIMEIRA COMUNHÃO

Primeira Comunhão de Nennolina

Primeira Comunhão de Nennolina

À vista da gravidade da doença, os pais anteciparam sua Primeira Comunhão. A mãe ensinava-lhe, todas as noites, uma parte do Catecismo. Teve aí início seu costume de escrever cartinhas a Deus Pai, a Jesus, ao Espírito Santo, a Nossa Senhora, etc.

Não sabendo ainda escrever, ela as ditava para sua mãe. Mas tão logo aprendeu a desenhar seu nome, passou a assiná-las: Antonieta e Jesus. E as deixava junto a uma imagem do Menino Jesus, porque, assim, “de noite Ele as leria“.(3)

PROFUNDIDADE TEOLÓGICA

Analisando suas cartinhas, encontramos termos de uma profundidade teológica surpreendente. Elas “são feitas de pensamentos soltos e muitas vezes com erros de gramática, como os das crianças. Não obstante, revelam um diálogo de amor com as Pessoas Divinas e a intensidade de um amor que é conhecimento experimental“. (4)

A esta alma tão inocente, bem podem ser aplicadas as palavras de Mons. João Scognamiglio Clá Dias: “A criança não conhece a mentira, a falsidade nem a hipocrisia. Sua alma se espelha inteiramente em sua face; sua palavra traduz com fidelidade seu pensamento, com uma franqueza emocionante. Ela não tem as inseguranças da vaidade ou do respeito humano. Em uma palavra, ela e a simplicidade constituem uma sólida união“. (6)

SACRAMENTOS E BÊNÇÃO PAPAL

Afinal, chegou o tão almejado dia da Primeira Comunhão. Apesar das dores, Nennolina permaneceu ajoelhada por mais de uma hora após a Missa, rezando.

A amputação não deteve o avanço do câncer: aproximavam-se a passos rápidos seus últimos dias. No entanto, quando alguém lhe perguntava como se sentia, respondia sorrindo: – Estou bem!

Carta de Nennolina a Jesus
Carta de Nennolina a Jesus

Quando se sentia um pouco melhor, ditava mais cartas a Jesus. A última – que acabou indo parar nas mãos do Papa Pio XI -, ela a ditou à mãe, em 2 de junho de 1937: “Caro Jesus crucificado, eu Te quero muito e Te amo muito, eu quero estar no Calvário contigo e sofro com alegria porque sei que estou no Calvário. Caro Jesus, eu Te agradeço porque me mandaste esta doença, que é um meio para que eu chegue no Paraíso. Caro Jesus, dize a Deus Pai que amo muito também a Ele. Caro Jesus, dá-me a força para suportar as dores que Te ofereço pelos pecadores…“. (7)

Acometida por um violento ataque de tosse e vômitos, tão logo se recuperou, continuou a carta: “Querido Jesus, dize a Nossa Senhora que A amo muito e quero estar junto a Ela“. Num ímpeto de inconformidade, à vista dos sofrimentos da filha, a mãe amassou a folha e jogou-a numa gaveta.

DO CALVÁRIO À GLÓRIA

Dias depois, o Dr. Milani, médico do Papa, examinou-a e ficou abismado por ver quanta dor sentia sem exalar a mínima queixa. Seu pai falou-lhe das cartas e o médico manifestou desejo de ver a mais recente. Leu-a naquela folha de papel amassada e pediu para levá-la, pois queria mostrá-la ao Santo Padre. No dia seguinte, foi visitar a menina um enviado de Pio XI, para dar-lhe a Bênção Apostólica, e relatou que Sua Santidade ficara comovido ao ler a cartinha.

Nennolina já com a perna amputada

Nennolina já com a perna amputada

Em junho a doença agravou-se. No dia 23 o cirurgião fez a resseção de três costelas. Testemunha impotente dos tormentos da filha, sua mãe, contendo as lágrimas, procurava consolá-la. E relatou sua resposta: “Ela me olhou e disse com ternura: ‘Mamãe, alegre-se, fique contente… Dentro de dez dias, menos um pouco, sairei daqui‘”. (8)

De fato, em 3 de julho de 1937, sussurrou: “Jesus, Maria… Mamãe, Papai…“. Em seguida, fixando o olhar diante de si, sorriu e deu seu último suspiro. Foi encontrar- se com o Inocente, a quem tanto amou e por quem carregou com tanta alegria sua cruz, para gozar de sua glória na eternidade.

 

 

(1) DI PIETRO, Raffaele. La tua Nennolina. Roma: Basilica di Santa Croce in Gerusalemme, 2004, p.2.
(2) PONTIFICIUM OPUS A SANCTA INFANTIA. Venerável Antonieta Meo.
(3) BORRIELLO, L. et al. Dicionário de mística. São Paulo: Paulus; Loyola, 2003, p.82.
(4) Idem, idem, p.83.
(5) MEO, Antonieta. Carta de 6/9/1936, apud BORRIELLO, op. cit., p.84.
(6) CLÁ DIAS, EP, João Scognamiglio. O inédito sobre os Evangelhos. Libreria Editrice Vaticana, 2012, vol. V, p.124.
(7) MEO, Antonieta. Carta de 2/6/1937, apud BORRIELLO, op. cit., p.84.
(8) DI PIETRO, op. cit., p.7-8.

 

(Condensado da revista “Arautos do Evangelho” nº 144, dezembro de 2013, p. 34 a 37)

Ilustrações: Arautos do Evangelho, http://www.santiebeati.it/ 

One thought on ““VEREIS MUITOS SANTOS ENTRE AS CRIANÇAS”

  1. Testimonio fabuloso de fidelidad e integridad de alma, a pesar de los intensos dolores y de su pequeña edad. Raro ejemplo de virtud en nuestro siglo tan cargado de hedonismo y gozo de la vida. Quiera esta bienaventurada niña, desde su alto cielo, velar por todos nosotros los que batallamos en las luchas de la iglesia de Dios.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *