Escravidão que liberta

Uma das coisas mais tristes para quem busca modelar-se pela vontade de Deus é ver alguém escravizado por algum vício: a bebida, por exemplo.

Quem realmente procura a perfeição, sabe por experiência própria, que, pelo contrário, nada dá mais liberdade à alma do que conformar-se aos Mandamentos. A certeza de estar na amizade de Deus não tem preço.

Para as almas desejosas de maior perfeição, Deus reservou um segredo. Este segredo é revelado por São Luís Grignion de Montfort em seu Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem

São Luís inicia o seu Tratado com algo semelhante a um toque de clarim:

“Foi por intermédio da Santíssima Virgem Maria que Jesus Cristo veio ao mundo, e é também por meio dela que ele deve reinar no mundo” ⁽¹⁾.

Mais adiante acrescenta:

“Deus Pai ajuntou todas as águas e denominou-as mar; reuniu todas as suas graças e chamou-as Maria. Este grande Deus tem um tesouro, um depósito riquíssimo, onde encerrou tudo que há de belo, brilhante, raro e precioso, até seu próprio Filho; e este tesouro imenso é Maria, que os anjos chamam o tesouro do Senhor, e de cuja plenitude os homens se enriquecem.

Deus Filho comunicou a sua Mãe tudo que adquiriu por sua vida e morte: seus méritos infinitos e suas virtudes admiráveis. Fê-la tesoureira de tudo que seu Pai lhe deu em herança; é por ela que ele aplica seus méritos aos membros do corpo místico, que comunica suas virtudes, e distribui suas graças; é ela o canal misterioso, o aqueduto, pelo qual passam abundante e docemente suas misericórdias.

Deus Espírito Santo comunicou a Maria, sua fiel esposa, seus dons inefáveis, escolhendo‑a para dispensadora de tudo que ele possui. Deste modo ela distribui seus dons e suas graças a quem quer, quanto quer, como quer e quando quer, e dom nenhum é concedido aos homens, que não passe por suas mãos virginais”
⁽²⁾. (…)

“Assim como na geração natural e corporal há um pai e uma mãe, há, na geração sobrenatural, um pai que é Deus e uma mãe, Maria Santíssima. Todos os verdadeiros filhos de Deus e os predestinados têm Deus por pai, e Maria por mãe; e quem não tem Maria por mãe, não tem Deus por pai”. ⁽³⁾

E conclui sabiamente São Luís: a melhor forma de devotar-se a Maria Santíssima, de, por meio d’Ela chegar a Jesus é consagrar-se como seu escravo.

Foi precisamente o que fizeram mais 120 pessoas em Montes Claros.

Depois de um cuidadoso preparo realizado pelos Arautos do Evangelho, consagraram-se na Igreja de São Sebastião durante a Missa solene celebrada pelo Pe. Orlando Kimura, EP, no dia 29 último.

.
.

(1) São Luís Maria Grignion de Montfort, Tratado da Verdadeira devoção à Santíssima Virgem, Ed. Vozes, Petrópolis, 42ª edição, 2012, p. 19.

(2) Idem, p. 32-33.

(3) idem, p. 37.

4 thoughts on “Escravidão que liberta

  1. Pingback: Escravidão que liberta | Arautos do Evangelho

  2. Um momento que deixou marcas profundas em minha alma! Selar a nossa consagração com a Celebração Eucarística e com uma bela homilia que nos provocou a reflexão foi providencial. Metaforicamente fomos comparados a um broche que ganha valor não pelo valor em si, mas por pertencer à realeza. Aquele objeto trazia glamour a quem o pertencesse.
    Assim somos nós!!!! Através da consagração somos valorizados, não pelo nosso merecimento ou valor, mas sim porque a Nossa Senhora, que também é Nossa MÃE, nos exalta, nos acende, nos engrandece, nos glorifica, enfim nos torna melhores!!!!
    O mérito da Nossa Senhora se reflete em nós! Porque ela é grande, é paz, é cheia de graça, é Maria de Deus!
    Grande alegria coroá-la! Diante da sua imagem Minha Senhora, literalmente, vi a minha pequenez. Um broche sem a marca da rainha. Nenhum pensamento era digno de romper a força da sua presença! Por isso, além do terço que lhe ofereci, deixei o meu silêncio que a Senhora entende tão bem!
    Servir essa Senhora além de um grande privilégio é pura obrigação. Agora somos responsáveis em levar a todos a grandeza dessa Senhora que é Nossa e que muitos não a conhecem!
    Ave Cheia de Graça!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *